Início > Uncategorized > CONTINUAMOS ENTREGUES À BICHARADA

CONTINUAMOS ENTREGUES À BICHARADA

cabras

«Descobriu-se» agora que o ministro da Economia, Manuel Pinho, terá feito duas viagens ao estrangeiro (Alemanha e Polónia) em «serviço», nos anos de 2005 e 2006, que orçaram a «irrisória» quantia de 42.546 euros (!!!) devidos pela requisição de um Falcon à Força Aérea Portuguesa.
Segundo o mesmo (Pinho), estas viagens foram de extrema importância nacional pois visaram captar investimentos estrangeiros para Portugal.
Sem querer discutir a importância ou não dos périplos, nem sequer alimentar lavagens de roupa sobre qual a entidade responsável pelo pagamento em dívida (como é costume neste país a bola agora anda de mão em mão), apraz-me apenas realçar o facto da necessidade de requisição de um avião militar para uma viagem de negócios que, penso eu (e não devo ser o único) podia perfeitamente ter sido feita numa qualquer companhia aérea de aviação civil, poupando largos milhares de euros ao erário público. Mesmo viajando em classe excutiva na TAP ou, por exemplo, LUFTHANSA (com escala em Frankfurt com ligação para a Polónia) e mesmo levando uma comitiva de 2 ou 3 pessoas, a viagem teria ficado certamente mais em conta.
Casos como este que não chegam ao conhecimento público, ou então chegam passados anos, serão inúmeros e demonstram mais uma vez que quem devia ser eleito para servir é na maioria das vezes eleito para se servir, desprezando o rigor e as contigências próprias de uma época económicamente difícil, em que amíude os governantes pedem «apertar dos cintos» à populaça e depois dão exemplos contraditórios de sentido inverso, mostrando a verdadeira face em regabofes gastronómicos, viagens de luxo e outros forrobódós tais.
E não vale a pena escamotear a questão apontando o dedo a este partido ou aquele, pois a bicharada que hoje em dia pulula na política nacional é toda do mesmo calibre, salvo honrosas excepções, que me parecem não pertencer aos meandros do poder actual e estarem moralmente muito longe deste tipo de fantochadas.
Por isso meus amigos, nas próximas eleições recuperemos uma velhinha citação e «anulemos o voto com uma frase revolucionária!».
A minha será esta: «A MELHOR FORMA DE VOTAR É ARRANCAR AS PEDRAS DAS CALÇADAS E ATIRÁ-LAS ÀS CABEÇAS DOS POLÍTICOS!».

# O Marreta

Anúncios
Categorias:Uncategorized
  1. Manuel Baptista
    8 Março, 2009 às 11:01 am

    [com pedido de publicação, se estiverem de acordo…]

    A solução de um não-estado na palestina: reflexão sobre a «nação»

    Um problema da «solução» dos dois estados é que a existência de Israel continuará, mas este estado é uma criação artificial, sem legitimidade nenhuma.
    Por outro lado, toda a região, incluíndo não apenas a palestina histórica, como o Líbano e a Jordânia, resultam do desmembramento artificial, pelos imperialismos francês e britânico, do império otomano, no seguimento da 1ª guerra mundial. São estados artificiais, que estarão sempre em permanente convulsão, por juntarem e obrigarem comunidades diversas a coexistir e ter relacionamento político de uma forma forçada, havendo portanto lugar para várias situações de opressão, quer com base na etnia, na nação, na religião, além da opressão de classe e de género.

    Assim, tal como no resto do mundo, a questão do estado na Palestina põe-se de modo agudo. Para que precisam os povos do estado? Não é o estado que promove as guerras? não é o estado que mantém as opressões? Para que precisarão os povos do estado, sabendo-se que não existem povos que não tenham capacidade de auto-gerir a sua vida (a sua produção material e cultural, o seu relacionamento com comunidades vizinhas ou distantes, etc)?Sabemos que a «autoridade» do estado é apenas uma opressão. Não é uma autoridade que emane verdadeiramente de uma vontade popular, da expressão genuína da vontade das pessoas.

    Se olharmos por este prisma para a realidade israelo-palestiniana, compreendemos que os estados não são parte da solução, mas sim (e muito importante) do problema. Renunciar a solucionar os problemas de raíz, só porque outros têm uma visão muito mais curta que a nossa, não será uma indesculpável cobardia intelectual (no mínimo)?
    Se nós compreendemos o mal que faz o nacionalismo (quer o israelita, quer o palestiniano) a estas populações, não podemos senão repudiá-lo. São comunidades judaicas, muçulmanas, cristãs e também comunidades sem vínculo a uma religião, laicas, que poderiam viver tranquilamente e desenvolver as suas vidas e tradições na palestina histórica, sem conflitos inter-étnicos, como aconteceu durante séculos, no império otomano. Note-se porém que a ingerência da ONU e das potências na zona, só agravou os problemas, só os perpetuou e complicou.
    A solução radica na consciência de que as diversas comunidades têm de se entender, de se auto-organizar sem ingerências, partilhando espaços geográficos da melhor forma possível. Será uma solução vinda de dentro dessas comunidades, não uma solução imposta, forçada de fora, a qual só poderá produzir mais miséria, violência, intolerância.

    Vemos o caso deplorável da ex-Jugoslávia, fraccionada em micro-estados sem viabilidade e sustentação política e económica, por vontade da todo-poderosa UE, dos seus estados- -membros mais fortes.

    Vemos o caso da África negra, a sangue e fogo permanente, desde as independências, que mais não foram do que a passagem do jugo colonial para o domínio duma burguesia parasitária neo-colonial, totalmente dependente das antigas potências colonizadoras, para se manter no poder. Esta luta pelo poder em África efectua-se usando a bandeira da nação, do nacionalismo, dilacerando povos que não tinham estados-nação formados, com algumas raras excepções, antes da colonização europeia.

    Nada de bom pode surgir pelo lado do nacionalismo; não existe «nacionalismo progressista»; é pura contradição nos próprios termos. «Civilização» significou sempre um abolir ou amenizar, um secundarizar, as barreiras, as fronteiras, os obstáculos que separam os povos em «nações» artificiais.

    O próprio conceito de nação, como algo distinto do estado, tem pouca utilidade, ao fim e ao cabo. A não ser que usemos o conceito de nação numa forma pouco comum, mas que -por isso mesmo- pode ser mal interpretado, como sinónimo de etnia (portanto reconhecendo «nações» sem estado, como muitos agrupamentos tribais ou supra tribais que existem ou subsistem nos interstícios das «nações-estados» modernas).

    A nação, a pátria, é um conceito totalmente fabricado, ideológico, que surge no século XIX com o triunfo da burguesia. Nessa época era necessária uma ideologia para que esta burgusia conseguisse manter o domínio, quer sobre as antigas classes dominantes, a aristocracia, quer sobre os deserdados, os proletários, os camponeses arruínados por um desenvolvimento industrial e agrário que fez tábua-rasa da pequena exploração agrícola. Daí a invenção do nacionalismo, associado ao belicismo, à exaltação do heroísmo e do sacrifício «pela pátria». O culminar desta ideologia deu-se com as duas guerras mundiais, que tiveram como local de origem a Europa, local onde foi inventado o conceito de «nação» (a nação como suposta emanação do «povo soberano», necessitando de um determinado «espaço vital», etc, etc).

    Igualmente, foi o nacionalismo que activou a conquista mais impiedosa de muitos povos no século XIX, a pretexto de «civilizar» povos sem estado ou com estados mais débeis, os estados-nações europeus auto-designando-se como civilizadores, portadores do progresso a esses confins… O pior da aventura colonial deu-se nos séculos XIX e XX, onde realmente as chacinas ultrapassaram muitas vezes em crueldade as que foram efectuadas nos séculos anteriores. A partir do século XIX, expandiu-se a predação colonialista e com ela o efeito nefasto da peste nacionalista nos 5 continentes. Não se pode esquecer que também houve grandes genocídios nos séculos anteriores, nomeadamente de populações africanas e indías-americanas, por chacinas, escravização e propagação de epidemias. Mas nos séculos XIX e XX -em nome do progresso, da civilização, do império, da superioridade da «raça» branca, etc- foram cometidas atrocidades sem nome em todos os continentes, tudo isto afinal sob a cobertura do conceito cómodo de «nação»…

    Este conceito foi «naturalizado», pelos ideólogos, como se a pertença à nação fosse algo de genético. Ainda vemos claramente o efeito disso na atitude racista e xenófoba dos europeus em relação aos imigrantes não-europeus (ou mesmo europeus de outras zonas) que vêm trabalhar para os diversos países. Haverá coisa mais nojenta? Quem incentiva estes comportamentos? Não serão estimulados pelas burguesias que dominam a política dos diversos estados, conseguindo assim desviar dela a raiva dos explorados pela perda de condições de vida, pela intensificação do desemprego, da precariedade, da exploração?

    A solução do problema palestiniano ou sua não-resolução durante mais de 60 anos pela ONU e todos os estados envolvidos, mostra-nos que as nações e os estados não fazem parte da solução, mas são parte do problema.
    Há que ter coragem de dizê-lo, de explicá-lo, de difundí-lo: só haverá progresso humano, com a abolição das nações, entendidas como estados-nações.

    Embora as forças conservadoras ao serviço do capitalismo estejam apostadas em avivar esse vírus mortífero do nacionalismo, a verdade é que apenas estão a adiar a emergência da sociedade do futuro, como federações livres de comunidades auto-organizadas e auto-geridas, sem hierarquias, sem opressões. Todas as tentativas de manter o estado de coisas anterior, do domínio absoluto de «estados-nações», tem como consequência imediata a perpetuação e acentuação das diversas barbáries.

    Manuel Baptista

  2. 8 Março, 2009 às 11:07 am

    Ou
    “VÃO TRABALHAR MALANDROS”

    ou
    “VÃO ROUBAR PARA OUTRO LADO”

    Como dizes a porcaria é toda a mesma. Vê lá se houve algum comentário a denunciar a situação (que eu tenha conhecimento não). Se os outros lá estivessem era o mesmo, passeatas, almoçaradas, boas acompanhantes, etc.

    E depois manda esta escumalha apertar o cinto, puta que os pariu.

    Abraço

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: