Início > anarquismo, Auto-Gestão, liberdade, MOVIMENTOS DE MASSAS, REVOLUÇÃO > POR UMA SOCIEDADE LIBERTÁRIA

POR UMA SOCIEDADE LIBERTÁRIA

Image and video hosting by TinyPic

imagem net

Vamo-nos concentrar num mundo alternativo. Suponhamos que seja possível construir um mundo social totalmente novo a partir do nada, ou seja, se fôssemos construir os bairros do nosso jeito. Com seriam?

      Eu imaginei um bairro assim:

Casas: Casas (no contexto dessa proposta) são unidades de aproximadamente 200 pessoas coabitando em um complexo de edifícios disponibilizando uma variedade de infrastruturas para indivíduos isolados, duas pessoas, famílias, e grandes famílias. O complexo teria instalações para reuniões, espaços comunais (como também espaços privativos) cozinha, lavandaria, educação primária e pré-primária, oficinas, ginásios, ambulatório de cuidados médicos básicos, maternidade, pronto-socorro e algumas instalações recreativas. As Casas são administradas democrática e cooperativamente por uma Assembleia directa de membros.

Projectos: Os projectos incluiriam todas as actividades cooperativas (mais de uma pessoa): agricultura, fabrica, ensino superior, pesquisa, medicina avançada, comunicações, transporte, artes, jogos desportivos, e assim sucessivamente, juntamente com outras actividades cooperativas dentro da própria Casa (cozinha, ensino, cuidados com crianças, serviços médicos, manutenção, etc.). Os edifícios seriam projectados e construídos para estas várias actividades. Interiormente, tais projectos seriam administrados democrática e cooperativamente por uma assembleia directa de sócios e ou membros. Alguns projectos, talvez a maioria, seriam controlados, no bom sentido, directamente pelo bairro, pela Assembleia do Bairro. Outros projectos seriam controlados por acordos entre várias ou muitas Assembleias dos Bairros.

Círculo Operário: Círculos Operários seriam unidades de aproximadamente 30-50 pessoas. Cada pessoa no bairro pertencerá a apenas um agrupamento de afinidade, desenhado o seu projecto piloto. Eventualmente tais agrupamentos por afinidade serão compostos por pessoas da mesma Casa mas a maioria delas estará envolvida com projectos fora da Casa, ou até mesmo fora do bairro. Todos os projectos (actividades cooperativas) serão tocados por tais agrupamentos. Estes agrupamentos se reunirão dentro do projecto para discutir assuntos, os quais, se necessário, serão levados às assembleias gerais. Os assuntos já discutidos no interior de cada projecto serão votados dentro das reuniões. As reuniões dos Círculos Operários são necessárias por causa das deliberações e genuínas discussões praticadas frente-a-frente em grupos com mais de 50 pessoas.

      Se surgirem pessoas de uma mesma Casa mas que actuam em projectos diferentes e queiram passar a trabalhar conjuntamente de forma autónoma, poderão recorrer à Assembleia da Casa enquanto entidade distinta, diferente da Assembleia do projecto (local de trabalho), embora a Casa possua Círculos Operários actuando em projectos como cozinha, educação, cuidado de crianças, e cuidados médicos.

Assembleia da Casa: A Assembleia da Casa é o núcleo da criação social. É uma assembleia de um bairro inteiro, em torno de 2000 pessoas, reunido num espaço próprio e suficientemente grande para facilitar a discussão democrática directa e a tomada de decisão. Claro que na prática o tamanho das Assembleias de Casas variará consideravelmente. Seu limite superior é entretanto determinado pelo número das pessoas que se podem encontrar num espaço suficientemente grande para que possam participar democraticamente das discussões, frente-a-frente e para desenvolver os processos de tomada de decisão.

Uma Associação de Assembleias de Casas: As Assembleias de Casas poderão  unir-se  umas às outras, por meio de pacto ou acordo combinado, formando uma associação maior. Haverá um acordo global que definirá a associação em geral, como também muitos acordos específicos para projectos em particular.

      Na Assembleia de Casas é o bairro que se governa. O bairro faz suas próprias regras, aloca seus próprios recursos e energias e negocia seus próprios tratados com outros bairros. O bairro controlará o espaço físico onde se situa, assim como todos os projectos e Casas dentro dele.

  Assim não teria mais lugar a:

hierarquia, representação, escravo assalariado, motivo de lucro, classes, propriedade privada dos meios de produção, impostos, estado, clero, alienação, exploração, elite de controle profissional de qualquer actividade, ou divisões formais por raça, género, idade, etnia, pontos de vista, convicções, ou inteligência. Este bairro, assim organizado, será a unidade básica da nova ordem social.

…continua

# Ferroadas

Anúncios
  1. Marreta
    12 Outubro, 2009 às 9:25 pm

    Bom post, que demonstra como na prática se pode construir uma sociedade alternativa e que tal não é nenhum bicho de 7 cabeças. Assim as pessoas estejam consciencializadas para tal e o queiram, isto é possível e é o mais democrático, livre, organizado e solidário que se pode obter.

    Saudações do Marreta.

  2. Marreta
    12 Outubro, 2009 às 9:27 pm

    Ah, esqueci-me de dizer que esta é a melhor forma de acabar com a exploração, o chupismo e o compadrio que apodrece a nossa sociedade.

  3. Marreta
    12 Outubro, 2009 às 9:38 pm

    Mais um aditamento. Penso que seria importante a publicação de vários posts no seguimento deste, demonstrativos de como se pode concretizar na prática uma verdadeira sociedade alternativa e libertária, com exemplos práticos de vários cenários e realidades.
    Para muita gente sei que isto é um bicho de 7 cabeças que não tem viabilidade prática, muitas vezes por desconhecimento e ignorância das mesmas, outras vezes por não quererem/poderem acreditar que a vida sem mandantes e intermediários que decidam a nossa vida é possível.
    É certo que as mentes ensaboadas diariamente pelos media ao serviço do sistema vigente obstruem esse desiderato, mas este espaço, como espaço alternativo que pretende ser, deveria assumir também uma posição não só de critica à podridão do sistema vigente, mas também assumir um papel importante de despertar de mentes e consciencialização para os rumos alternativos possíveis, mas com exemplos práticos que possam chegar de uma forma consistente aos nosso leitores.

  4. Marreta
    12 Outubro, 2009 às 9:39 pm

    … Este post é um excelente exemplo de como isso pode e deve ser atingido.
    Está de parabéns o camarada Ferroadas.

    Saudações do Marreta.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: