Arquivo

Posts Tagged ‘Cavaco Silva’

Poder Popular

23 Janeiro, 2011 Deixe um comentário

É tudo a gamar….

19 Janeiro, 2011 Deixe um comentário
A burguesia partidária (PS, PSD, PCP, CDS, BE, VERDES!!!!! e MRPP!!!!) do burgo recebeu do nosso dinheiro no ano findo (2010) qualquer coisa como (não caiam da cadeira) 71,7 milhões de Euros, sendo o PS o mais agraciado (30 Milhões de Euros). Disto ninguém fala, digo ninguém desses partidos claro. Falam eles  em “moralização” dos gastos e dos subsídios estatais aos mesmos,  como se isso fosse possível, se são eles que “mexem” na massa, é o mesmo que dizer a um pasteleiro que não prove o creme dos pastéis de nata. Como se verifica é tudo farinha do mesmo saco no que toca a “massas”. Se a uns acho normal o gosto pelo “material”, já aos restantes acho estranho o silêncio. Coisas……
Já agora e dentro da mesma linha, como é possível a presidência da república gastar em 2010 também do dinheiro de todos nós, qualquer coisa como 18 milhões de Euros, dizer apenas que a casa Real espanhola gastou no mesmo período 9 milhões.
E arma-se esta gente nos mais sérios da paróquia, nos defensores dos pobres e oprimidos, da moralização e defesa da coisa pública e na equitativa distribuição da riqueza, para mim não passam duns salafrários de meia-tigela, ainda por cima com o meu dinheiro. Merda para tal gente.
# Jota Daniel

O novo livro do Chefe Silva

7 Dezembro, 2010 Deixe um comentário

Um amigo deste blog chamou-me a atenção para a notícia que fala de um livro lançado pela campanha do Sr. Silva “Fiel aos compromissos”.
Quem se lembra da última campanha sabe bem que dos compromissos pouco ficou para não dizer nada, tal foi a verborreia que vomitou na altura. Já a palavra “fiel” acredito ter sido escolhida mais pela parecença do personagem a um “bacalhau seco”, que a uma qualquer virtude canina que só se revelou quando os negócios do seu amigo e conselheiro Dias Loureiro andaram pelas bocas do mundo.
Será por isso um livro só com receitas mais que conhecidas e de qualidade muito duvidosa. Houvesse uma ASAE da política e ele ainda acabava por ter de encerrar a campanha tal o perigo para a saúde pública do país que representa.

Categorias:Uncategorized Etiquetas:

Ruptura com o conformismo

22 Maio, 2009 Deixe um comentário

portugal no prato da europa
É preciso orientar as pessoas para as coisas superficiais da vida, como o consumo e a moda. É preciso criar muros artificiais, aprisionar as pessoas, isolá-las umas das outras.
A turba tem de ser direccionada para fins inofensivos graças à gigantesca propaganda orquestrada e alimentada pela comunidade de negócios, que consagra uma energia e um capital enormes para transformar as pessoas em consumidores atomizados – isolados uns dos outros, sem a mínima ideia do que poderá ser uma vida decente – e em instrumentos dóceis de produção (quando têm a sorte de encontrar trabalho). É crucial que os comuns sentimentos humanos sejam esmagados; não são compatíveis com uma ideologia ao serviço dos privilégios e do poder, que celebra o lucro individual como valor supremo.

Noam Chomsky

Quantos de nós, como eu, sentados em frente do computador ou de uma televisão, não nos revoltamos diariamente com a hipocrisia dos tempos que vivemos, com as mentiras a que somos sujeitos e com a propaganda com que somos bombardeados. Quantas coisas que nunca nos foram importantes se tornam bens sem os quais não podíamos viver, quantas ideias que nos pareciam ilógicas se tornam axiomas de tantas vezes repetidas e afirmadas. Quantos de nós sabemos que é urgente mudar o rumo das coisas e nos sentimos sozinhos e impotentes para o fazer. Quantos de nós, aceitamos a perda de direitos e liberdades, recusamos lutar por aquilo em que acreditamos pelo medo de perdermos o pouco que ainda temos. Quantos de nós temem avançar por medo do desconhecido.

Todos sabemos que esta Europa que nos impõe as suas políticas liberais e nos está a conduzir para a perda de direitos, para uma maior pobreza e uma maior subserviência perante o poder económico das grandes multinacionais. Todos sabemos que esta Europa nos está a destruir o sistema produtivo, forçando fábricas a fechar por serem incapazes de competir no mercado global, retirando-nos direitos laborais em nome da competitividade que temos de ter perante países que tratam os seus trabalhadores como escravos, deslocalizando empresas para aumentar lucros. Todos nós sabemos que os nossos pescadores viram sua capacidade de pesca reduzido para que outros possam vir limpar os nossos mares, que a nossa agricultura está a ser devastada para que outros possam vender cá os seus produtos. Todos nós sabemos isso e que durante séculos sobrevivemos como país independente. Todos nós sabemos tudo isso, mas já nos convenceram que agora só o podemos fazer dentro da União Europeia e nos incutiram o medo de que fora dela não sobreviveríamos. Lá no fundo sabemos que estamos ser vítimas de uma mistificação, mas a solidão e o medo tolhem-nos a acção.
Se este medo e este caminho nos estão a conduzir ao desemprego, á pobreza, à descriminação e à perda de todos os direitos que tínhamos não está na hora de mudarmos. Vamos fazer a Ruptura com a União Europeia e determinarmos nós o nosso caminho, proibindo os despedimentos e utilizando o dinheiro que os estado esbanja a pagar o prejuízo dos grandes especuladores e a gastar a subsidiar o desemprego, na manutenção dos postos de trabalho dos portugueses. Vamos perder o medo e ter a coragem de assumir nas nossas mãos o nosso destino, que não tem obrigatoriamente de ser um triste fado.

Divórcios de Fátima

1 Fevereiro, 2009 2 comentários

cavaco-socrates-divorcio
O Presidente da República abriu hoje os trabalhos do IV Congresso da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), em Fátima, deixando alertas para a falta de recursos destas instituições e duras críticas à nova lei do divórcio. “Dos contactos que tenho mantido com dirigentes de instituições de solidariedade, recolho a informação de que a maioria dos casos de ‘novos pobres’ está associada a situações de divórcio”, revelou, na sua intervenção.

Porra! Com mais de cem portugueses a serem despedidos diariamente só neste mês de Janeiro são os divórcios que criam mais casos de novos pobres. Isso só pode acontecer porque muitos dos que foram agora despedidos já eram pobres mesmo quando trabalhavam. Isto, claro, para que um qualquer grupo económico pudesse atingir as suas metas de crescimento nos lucros. Milhões, milhares de milhões de lucros, mas agora quando a crise os aperta, estendem a mão ao governo e atiram para uma miséria ainda maior aqueles que lhes permitiram lucros fabulosos, seja esse alguém, um país ou um pai de família. Talvez o Sr. Silva, em vez de nos estar a falar de divórcios, nos pudesse explicar como grande economista que dizem ser, como vamos resolver os problemas deste e dos muitos outros que por aí vêm. Não precisa de nos vir falar de desenvolvimento e do futuro, mas de hoje, como resolver o problema hoje para termos a solução já amanhã. Ou será que a solução é a solidariedadezinha? O Sr. Silva, como todos os que têm governado, foram arautos, executores e são agora guardiões do sistema capitalista global. São por isso responsáveis pela situação a que chegámos. São culpados por cada novo desempregado, por cada novo caso de pobreza. São culpados e por isso responsáveis. Cabe a nós exigir-lhes a assunção dessas responsabilidades.