Arquivo

Posts Tagged ‘processos revolucionários’

É HORA DE DIZER BASTA

11 Março, 2010 2 comentários
O governo prepara-se para entregar ao grande patronato mais uma fatia de empresas estratégicas e rentáveis. Em nome da “crise” que a existir é só para alguns, estes liberais a roçar o ultra-conservadorismo, vão dar aquilo que poderia e deveria ser do Povo. Falavam de Cavaco que em tempos fez merda idêntica, Ferreira Leite segui-lhe os passos,  contribuindo para o acumular de riqueza por parte de amorins e quejandos, o Povo, esse, continua impávido e sereno a assistir à degola daquilo que lhe pertence. Que país é este que todo o seu tecido produtivo está em farrapos ou para lá caminha e o que nos resta é entregue assim ao grande capital? Para onde caminhamos?  Onde está este Povo que conheci e que se batia por ideais? Onde estão os “grandes” pensadores da esquerda? Onde dizem a isto? Não bastam as greves pontuais e as manifestações de encher o olho, o Povo quer acção, se não são capazes ou lhes falta a coragem, demitam-se e entreguem o destino do Povo ao Povo.
 
Meus amigos, já é mais que hora de dizer basta a esta gente, é hora de nos unirmos e correr com a BESTA.
 
Só nós o poderemos fazer, vamos para as ruas, para as fábricas, para os campos, deixe-mo-nos de individualismos bacocos e, de uma vez por todas, dizer BASTA.  
 
Anúncios

Processos Revolucionários: Revolução Cubana II

cuba usa embargocartoon daqui

«(…)

Para eliminar as seculares causas do subdesenvolvimento e suas consequências, a Revolução Cubana, definida como uma revolução nacional-libertadora, democrática, anti-imperialista, iniciou a realização de quatro grandes objectivos estratégicos desta primeira etapa do seu desenvolvimento:

1) A Reforma Agrária e o aumento e diversificação da produção agropecuária com vista à satisfação das necessidades nacionais.

2) A industrialização nacional.

3) Romper o monopólio e controle semicolonial que sobre o nosso comércio exterior exerciam os Estados Unidos.

4) Acabar com o controle estrangeiro sobre a economia cubana e estabelecer o domínio nacional sobre ela e sobre todas as riquezas nacionais.

(…) A Lei de Nacinalização das empresas ianques, de 6 de Julho de 1960, colocou fora de combate os banqueiros, os grandes capitalistas e os grandes comerciantes, privando desta forma o imperialismo da fundamental base social que podia apoiá-lo na sua tentativa de fazer retornar o país ao passado.

(…) Por outro lado, o imperialismo accionava os seus organismos internacionais, principalmente a imprensa, para caluniar e desprestigiar a Revolução cubana, iniciando uma feroz campanha anticomunista, em defesa da «democracia», da «liberdade» e da «civilização ocidental cristã», de Fulgencio Batista, Oliveira Salazar, Marcelo Caetano, Augusto Pinochet e muitos outros «dignos» representantes.

(…)»

in Introdução, Os Comités de Defesa da Revolução – uma das grandes criações da revolução cubana, Iniciativas Editoriais, Lisboa

#Kaótica

Processos Revolucionários: Revolução Cubana I

24 Junho, 2009 4 comentários

«A Revolução popular avançada desde Janeiro de 1959 é um resultado, historicamente necessário, das consequências funestas para a nação e para o povo, e das contradições insolúveis que caracterizam o regime de subordinação ao imperialismo estrangeiro, à economia semicolonial dentro de uma estrutura capitalista e o latifúndio semifeudal.cuba livre 2

daqui

Dentro desse regime, dominado pelo imperialismo ianque, Cuba não podia resolver nenhum dos seus problemas básicos: não podia acabar com o seu atraso económico, com o monocultivo, com o desemprego crónico, com a fome e a miséria de amplos sectores operários e camponeses, com o analfabetismo e a falta de direitos democráticos e liberdades verdadeiras para o povo».

in Introdução, Os Comités de Defesa da Revolução – uma das grandes criações da revolução cubana, Iniciativas Editoriais, Lisboa

#Kaótica