RATING

5 Abril, 2011 2 comentários

“o rating é uma opinião sobre a capacidade e vontade de uma entidade vir a cumprir de forma atempada e na íntegra determinadas responsabilidades”

Muito se tem falado e escrito sobre estas tenebrosas empresas que nos põem, não demora muito, a pão e água, pelo menos.

Não tendo eu conhecimento para falar do assunto, deixo isso para os “entendidos”, sempre vou dizendo o seguinte:

As empresas de Rating são meros instrumentos nas mãos do capitalismo para disfarçar vs branquear as suas manobras sinistras.

A crise do Subprime nos USA’s e posteriormente alargado a todo o mundo que levou à crise económica de 2006 e que dura até hoje, não se sabendo quando acaba, foi obra dessas tenebrosas entidades.

O exemplo que se segue é sintomático.

O tipo (A) compra uma casa ao banco (B). O Banco (B) vende a um banco de investimento (C)  os créditos do (A).  (B) investe esse dinheiro por intermédio de (C) em investimentos de alto risco (também conhecidos por lixo tóxico) aconselhados pela empresa de rating (R). Todas estas transacções estão seguradas na seguradora (H). (R) sabe que o risco é alto, mas mesmo assim diz aos investidores para comprarem. Entretanto o “negócio” é altamente rentável para todos, ao ponto do banco (B) dar crédito a toda a gente, mesmo a quem não possa pagar, pois (C) compra tudo a (B) e (H) garante o risco de incumprimento de todas as partes, a troco de elevados prémios pagos por (A). Entretanto esta autêntica pirâmide de interesses vários começa a desmoronar-se quando (A) começa a ter dificuldade em pagar a (B) que entretanto tinha vendido a (C) e “investido” em “lixo tóxico”. Entretanto (H) vê-se a braços com o pagamento da cobertura a (B) e (C), (exemplo a maior seguradora do mundo AIG) sem dinheiro para pagar entrou em falência). A partir daqui foi o que se conhece e tudo culpa das empresas de Rating que davam como  “bons” investimentos de “lixo tóxico”. A banca entrou em colapso e tiveram de ser os bancos centrais com todos os custos inerentes ao erário público a “tapar” os erros de investimento, investimentos esses “aconselhados” pelas tais empresas de Rating.

Para melhor compreensão aconselho verem o documentário “Inside Job”

PORTUCALE

Começou hoje o “julgamento” (come se esta gente fosse efectivamente julgada) do “Processo Portucale” que envolve “gente” “poderosa” cá do burgo. Como se está mesmo a ver, este, tal como os restantes que envolvem processos a vigaristas de “colarinho branco” vai ficar em nada. A justiça actual favorece-os, foi feita por eles, Portugal tornou-se uma quinta, onde esta cambada de eunucos vive à grande. A corrupção, o compadrio, o favorecimento, o enriquecimento ilícito, tornou-se a regra em vez de ser excepção.  Portugal, tornou-se por força desta gente num país atrasado, medíocre até, onde não apetece viver e/ou trabalhar. Políticos, banqueiros e o grande capital empresarial, vivem num infindável lodaçal de favores e corrupção, não se vislumbrando o seu términos.
Tal como em outras latitudes, só o Povo nas ruas, em massa, poderá um dia acabar com este estado de coisas, da Tunísia e do Egipto, vêm-nos bons exemplos de cidadania e de coragem, tal como em 25 de Abril, o Povo é sempre quem mais ordena.
Só o Poder Popular, assegurado nas suas organizações Populares de Base poderá repor Abril.

Poder Popular

É tudo a gamar….

A burguesia partidária (PS, PSD, PCP, CDS, BE, VERDES!!!!! e MRPP!!!!) do burgo recebeu do nosso dinheiro no ano findo (2010) qualquer coisa como (não caiam da cadeira) 71,7 milhões de Euros, sendo o PS o mais agraciado (30 Milhões de Euros). Disto ninguém fala, digo ninguém desses partidos claro. Falam eles  em “moralização” dos gastos e dos subsídios estatais aos mesmos,  como se isso fosse possível, se são eles que “mexem” na massa, é o mesmo que dizer a um pasteleiro que não prove o creme dos pastéis de nata. Como se verifica é tudo farinha do mesmo saco no que toca a “massas”. Se a uns acho normal o gosto pelo “material”, já aos restantes acho estranho o silêncio. Coisas……
Já agora e dentro da mesma linha, como é possível a presidência da república gastar em 2010 também do dinheiro de todos nós, qualquer coisa como 18 milhões de Euros, dizer apenas que a casa Real espanhola gastou no mesmo período 9 milhões.
E arma-se esta gente nos mais sérios da paróquia, nos defensores dos pobres e oprimidos, da moralização e defesa da coisa pública e na equitativa distribuição da riqueza, para mim não passam duns salafrários de meia-tigela, ainda por cima com o meu dinheiro. Merda para tal gente.
# Jota Daniel

O novo livro do Chefe Silva

7 Dezembro, 2010 Deixe o seu comentário

Um amigo deste blog chamou-me a atenção para a notícia que fala de um livro lançado pela campanha do Sr. Silva “Fiel aos compromissos”.
Quem se lembra da última campanha sabe bem que dos compromissos pouco ficou para não dizer nada, tal foi a verborreia que vomitou na altura. Já a palavra “fiel” acredito ter sido escolhida mais pela parecença do personagem a um “bacalhau seco”, que a uma qualquer virtude canina que só se revelou quando os negócios do seu amigo e conselheiro Dias Loureiro andaram pelas bocas do mundo.
Será por isso um livro só com receitas mais que conhecidas e de qualidade muito duvidosa. Houvesse uma ASAE da política e ele ainda acabava por ter de encerrar a campanha tal o perigo para a saúde pública do país que representa.

Categorias:Uncategorized Tags:

É HORA DE DIZER BASTA

11 Março, 2010 2 comentários
O governo prepara-se para entregar ao grande patronato mais uma fatia de empresas estratégicas e rentáveis. Em nome da “crise” que a existir é só para alguns, estes liberais a roçar o ultra-conservadorismo, vão dar aquilo que poderia e deveria ser do Povo. Falavam de Cavaco que em tempos fez merda idêntica, Ferreira Leite segui-lhe os passos,  contribuindo para o acumular de riqueza por parte de amorins e quejandos, o Povo, esse, continua impávido e sereno a assistir à degola daquilo que lhe pertence. Que país é este que todo o seu tecido produtivo está em farrapos ou para lá caminha e o que nos resta é entregue assim ao grande capital? Para onde caminhamos?  Onde está este Povo que conheci e que se batia por ideais? Onde estão os “grandes” pensadores da esquerda? Onde dizem a isto? Não bastam as greves pontuais e as manifestações de encher o olho, o Povo quer acção, se não são capazes ou lhes falta a coragem, demitam-se e entreguem o destino do Povo ao Povo.
 
Meus amigos, já é mais que hora de dizer basta a esta gente, é hora de nos unirmos e correr com a BESTA.
 
Só nós o poderemos fazer, vamos para as ruas, para as fábricas, para os campos, deixe-mo-nos de individualismos bacocos e, de uma vez por todas, dizer BASTA.  
 

18 DE JANEIRO DE 1934

18 Janeiro, 2010 1 comentário

imagem net

Não é de mais ainda aconselhar a leitura da obra de Fátima Patriarca “Sindicatos contra Salazar. A Revolta do 18 de Janeiro de 1934” (Imprensa de CiênciasSociais, 2000) de que deixamos aqui parte da resenha que mereceu na Análise Social por Henrique N. Rodrigues: 

(…) 1.º Não tem qualquer sentido reconduzir o 18 de Janeiro à Marinha Grande. Fica mais do que demonstrado que a versão oficial (interesseira, por natureza) e a versão do Partido Comunista (também obviamente interesseira) — ao prestarem destaque quase único à Marinha Grande, aos vidreiros e à liderança comunista não logram comprovativo na realidade dos factos.
2.º Ganha sentido, sim, «recolocar» o 18 de Janeiro na sua dimensão histórica exacta: um movimento operário insurreccional, que visava a reconquista das liberdades sindicais, a par do derrube do regime do Estado Novo.
3.º Neste contexto, a Marinha Grande é um episódio «mediático» (assim o diríamos na linguagem corrente), porque envolve uma ocupação da vila pelos revoltosos — ainda que de duração muito curta —, o assalto aos correios e a rendição da GNR. Sobretudo esta é, de facto,paradigmática. Mas não há greve, não houve «soviete» nem içar de bandeira vermelha nos Paços do Concelho.
4.º O episódio da Marinha Grande é, por outro lado, reposto quanto à autoria do seu comando: se é verdade que a CIS e o PC têm peso significativo na direcção do Sindicato Nacional dos Vidreiros, não é menos verdade que se comprova a participação empenhada da CGT ede trabalhadores de outras correntes político-sindicais.
5.º Fica igualmente comprovado que o movimento operário insurreccional, de que expressões concretas vão ter lugar para além da Marinha Grande, se gera e desenvolve com oconcurso das duas principais correntes sindicais — a anarquista e a comunista — e com o envolvimento dos sindicalistas socialistas ( a Federação das Associações Operárias) e da corrente sindicalautónoma (COSA — Comité das Organizações Sindicais Autónomas).
6.º Fátima Patriarca descreve bem os entendimentos e desentendimentos surgidos entre estas várias correntes e clarifica melhor o seu peso respectivo. É indubitável que a CGT e a corrente sindical anarquista tiveram, neste processo, uma influência marcante. Isto não elimina o papel dos comunistas — que não pode ser esquecido ou menorizado —, mas repõe a verdade essencial: e essa é a do contributo das várias tendências sindicais (anarquista, comunista, socialista e a dos autónomos), segundo os factos que conseguiu demonstrar.Não me parece que seja muito importante, hoje, «contar espingardas», ou seja, procurar apurar se os anarquistas foram mais decisivos do que os comunistas, ou se os socialistas ou os autónomos não tiveram significado relevante. Houve uma convergência de esforços, emergiu uma implicação de todos — mesmo que não tenha ocorrido uma unidade estratégica, organizativa, táctica, como parece evidente pela comprovação dos desencontros, pelas falhas de articulação, pelas recriminações que, «antes e depois», choveram de uma banda e de outra, em recíprocas acusações.
7.º Neste contexto, importaria retirar a conclusão de que o «18 de Janeiro» merece ser comemorado, doravante, não apenas na Marinha Grande, como tem sido tradicional, mas também em Silves, em Sines, em Almada, zonas onde a «história que se fez» deixou na tumba as ocorrências — essas, sim, muito significativas — do que ali se passou; mas onde a «históriaque hoje rompe novos véus» já permite, sem margem para dúvidas, reconhecer que o «18 de Janeiro» é ali que conquista contornos historicamente mais iluminantes. Em suma, Silves, Sines, Almada, precisam de ser «transladadas» da campa rasa em que as colocaram para o «panteão» do verdadeiro «18 de Janeiro».

Texto retirado DAQUI

Ferroadas

 

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.